CONCEITO DE FÉ
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on google

O CONCEITO DE FÉ NA EPÍSTOLA AOS HEBREUS

Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. (HEBREUS 11:1)

INTRODUÇÃO

Pelo fato de vivermos num mundo pluralista, relativista e materialista é imprescindível que se defina fé. Principalmente porque no Brasil se destaca uma fé num sentido místico parecido com a do terreiro de macumba. O termo “fé” tem sido conceituado por todos e de várias formas. Obviamente estes conceitos não têm base bíblica, na sua maioria. Tentam definir a fé meramente baseados em suas experiências e invenções. Portanto, faz-se extremamente necessário que se defina biblicamente tal termo, pelo menos na visão de teólogos interpretando especificamente no livro de Hebreus. Nesta definição almeja-se, além da clareza do termo em Hebreus, um melhor exercício da fé no cotidiano do salvo e na tarefa fiel de ensinar a verdade aos que ainda não a conhecem ou se conhecem, mas, não obedecem.

DEFINIÇÃO DE FÉ EM HEBREUS

O autor de Hebreus não cita todas as definições de fé. Mas, ressalta um deles neste contexto. A palavra fé tem muitos aspectos no Novo Testamento. Por exemplo:

• Gálatas 1.23, fala da fé no sentido de “confissão, credos, etc.”;
• João 20.31, define fé no sentido de crer em Jesus como o objeto da fé;
• Romanos 10.17, diz que é o meio pelo qual se apropria da salvação em Cristo.

Porém, em Hebreus temos várias definições: Ladd afirma que “A fé é o meio através do qual o crente pode agora alcançar este mundo invisível, de realidades celestiais (11:1)” 2.

O pré-requisito básico para a vida cristã, em Hebreus, é a fé. A fé, em Hebreus, recebe uma ênfase diferente daquela em João e em Paulo. O segundo tem a fé como confiança pessoal e submissão a Jesus, que traz união com Cristo e, portanto, a salvação. Em Hebreus, a fé é a faculdade de perceber a realidade do mundo invisível de Deus e de fazê-lo o objetivo básico de sua vida, em contraste com o caráter transitório e freqüentemente mau da existência humana presente. Hebreus nos dá o que resume a definição da fé como o termo é usado no livro: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem” (11:1) 3.

Ele continua dizendo:
A fé é o que torna real, para o crente, o mundo invisível de Deus. “Porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (11:6), não nesta vida, mas na plenitude na salvação prometida. O homem de fé é aquele que não considera o mundo visível da experiência humana o mundo dos valores supremos. Ele reconhece que acima estão as realidades espirituais do Reino de Deus, que ele não pode perceber com seus sentidos físicos, mas que, para ele, são mais reais do que o mundo fenomenal 4.

Ladd deixa claro que a exortação aos leitores de Hebreus serve como motivação dos heróis da fé, que não alcançaram nesta terra a promessa do Autor e consumador da fé, mas que alcançou na cidade celestial. Por isso ele diz que, “A fé é a faculdade que torna estas promessas reais” (p.540). Então, os hebreus tinham que enfrentar as perseguições com fé, porque, “A fé é um apoderar-se da promessa de Deus, para sua suprema salvação, quer esta vida traga bênçãos físicas ou males” (p.541).

A fé nos sinóticos é diferente da fé em Hebreus segundo Joachim Jeremias, ”fé é a confiança que não se deixa dissuadir”. Para ele, as pessoas procuravam Jesus porque confiavam que ele podia curá-los, mas, principalmente por que tinham nele a identificação do Messias, por chama-lo de Rabi, Raboni, Filho de Davi 5.

No decorrer dos séculos a fé tem recebido vários conceitos e ênfases diferentes. Justo González, afirma que os escolásticos falavam de dois sentidos da fé: “O primeiro é a fé como ação de crer: fides qua creditur. O segundo, o que se crer, fidea quae creditur” 6. No primeiro enfatiza-se a “confiança” a ponto de se entregar a quem confia (fidúcia). No segundo, envolve a aceitação do que se crer.

Para Lutero, devido sua experiencia da justificação pela fé, afirmava a fé como fidúcia, tendo Deus como o único objeto da fé, contrariando o pensamento medieval que afirmava que a pessoa podia ter fé ao acreditar nos ensinos da igreja. Calvino “via a fé como ‘um conhecimento firme e certo’ do amor de Deus, mas o próprio uso da palavra ‘conhecimento’ nesse contexto mostra que a fé não é somente questão do coração ou da vontade. A fé envolve toda a pessoa e, portanto inclui os elementos cognitivos, o conhecer quem é esse Deus em quem se crer, e os afetivos, nos quais a fé se manifesta na piedade”. 7

O entendimento de fé sofreu alterações no auge do racionalismo e deísmo quando muitos pensavam nela como a aceitação cega do que a razão não podia provar, ou do que a razão não podia provar. Já o liberalismo trouxe a dimensão afetiva da fé como experiencia do amor de Deus, compreendendo a fé numa visão da teologia existencialista, baseada no sentimentalismo e conceitos morais.

O autor de Hebreus reconhece esses mesmos aspectos da fé apresentados por outros escritores do Novo Testamento. No entanto, seu uso do conceito de fé deve ser entendido primariamente no contexto do capítulo 11 de sua epístola.
“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam a convicção de fatos que se não vêm”. V.1
Certeza: substância; “coisas esperadas acontecem ou coisas esperadas se tornam realidade”. Ver 3.14

O autor fala da esperança. A esperança não é uma qualidade inativa, escondida. Ela é ativa e progressiva. Inclui todas as promessas de Deus. No entanto, nem tudo que se diz ser fé, de fato é. Nem toda certeza é fé. A fé tem que vir da verdade e apontar para a verdade (Hb 12.2). Por exemplo: Alguém que afirma que vai ganhar na loteria porque tem muita fé não tem base bíblica, pois a fé tem que está baseada nas promessas contidas na Palavra de Deus. A fé, então, é a confiança que o crente expressa quando enfrenta perturbadora descrença.

I. O QUE A FÉ CONCEDE?

Convicção: v.1, fala de convicção interior. O crente tem convicção de que as coisas são reais mesmo sem ele ver. Mesmo faltando evidências a fé gera convicção. Não depende dos nossos sentidos (olhos para ver), mas de uma esperança centralizada na mente e no espírito do homem.
Bom Testemunho: v.2 Por causa da fé, os anciãos, foram reconhecidos por Deus e por seu povo.
Entendimento: v.3 Quem viu a criação do universo? Quem estava lá? Você, seu pai, seu avô, Abel, Adão? Ninguém, senão o Criador triuno. Portanto é necessário ter fé para acreditar e entender aquilo que não vimos no passado ou veremos no futuro. A fé traz entendimento! Ver Romanos 1.20; precisamos conhecer a verdade bíblica para crermos.
Visão: v.3b O homem de visão ver o que realmente aconteceu e acontecerá. Ele ver pela fé que foi Deus quem criou todas as coisas que vemos fisicamente. A pessoa que tem fé ver o invisível!

II. SOMENTE PELA FÉ:

Há um contraste entre fé e descrença. Mas, a ênfase está sobre a fé.
Temos a Aprovação de Deus na Adoração – v.4

A fé leva o adorador à:
a. Excelência: “sacrifício mais excelente” =
b. Justiça: “homem justo”.
c. Testemunho: “mesmo depois de morto ainda fala”.
Podemos Agradar a Deus no Cotidiano – v.5,6

A fé leva o crente a agradar a Deus. Mas, o que é agradar a Deus?
1º – É andar com Deus: Gn 5.21 = Agradou a Deus
2º – É aproximar-se de Deus: “aquele que se aproxima de Deus” v.6
3º – É buscar a Deus: “que se torna galardoador dos que o buscam”.

E, uma vida agradável diante de Deus:
a. Isenta-nos das consequências do pecado: “para não ver a morte”.
b. Evidencia-nos como pessoas distintas: Gn 5.21-24
c. Livra-nos do ateísmo e da pobreza espiritual: v.6
• Ateísmo: “creia que ele existe”;
• Pobreza Espiritual: “se torna galardoador”.

Somos salvos da condenação com o Mundo – v.7
A fé é o meio pelo qual somos salvos da condenação que o mundo recebe. A Salvação nos leva a:

a. Receber orientações divinas: “divinamente instruído”.
b. Temer a Deus: “e sendo temente a Deus”.
c. Herdar a justiça: “e se tornou herdeiro da justiça”.

CONCLUSÃO:

Abel, Enoque e Noé eram homens solitários em cada uma de suas gerações. A fé não é de todos, somente para aqueles que recebem o dom de Deus (Efésios 2.8,9). Observe o seguinte: Por sua fé Abel pagou o preço de sua vida. Por sua fé Enoque foi transladado. Pela fé Noé salvou a vida de sua própria família. Pela fé a igreja está de pé por séculos. A fé é o firme fundamento!

REFERÊNCIAS

2 Ladd, George Eldon. Teologia do Novo Testamento. Tradução: Darci Dusilek, Jussara Marindir Pinto Simões Árias. São Paulo: Hagnos, 2001. p.531
3 Ibidem, p.540
4 Ibidem, p.540
5 Jeremias, Joachim. Teologia do Novo Testamento. Trad. Pe João Resende Costa. São Paulo: Hagnos, 1971. p.250
6 L. González, Justo. Breve Dicionário de Teologia. Trad. Silvana Perrela Brito. São Paulo: Hagnos, 2009. p.135
7 Ibdem, p.136

Pr. João Duarte de Alencar

Pastor da Igreja Cristã Evangélica de Breves – PA. Casado com Elizângela, pai de três filhos: Josué, Yeremyh e Julya Anne. É Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Tocantins – FATEBE.

Últimos Artigos

Próximos Eventos

27 set 2021

PRÉVIA DA CAMPANHA NACIONAL DE MISSÕES

01 out 2021

A RESTAURAÇÃO DO POVO

03 out 2021

ANIVERSÁRIO DA REVISTA EBENÉZER

08 - 12 out 2021

CONGRESSO NACIONAL DO DNJ

Nenhum evento encontrado!
RECEBA NOTIFICAÇÃO DE NOVAS PUBLICAÇÕES
Rolar para cima