NÃO A IDEOLOGIA DE GÊNERO
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype

NÃO A IDEOLOGIA DE GÊNERO

Macho e fêmea os criou, e os abençoou…” (Gênesis 5.2).  

Um menino e uma menina são iguais? Claro que não. São diferentes desde a formação no ventre materno, crescimento até a morte. São diferentes no interior e exterior do corpo. Quando Deus criou o homem e mulher criou-os diferentes entre si, diz o relato bíblico: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1.27).  

Quando a Bíblia expressa que Deus criou homem e mulher indica que eles são diferentes entre si e eles se diferem pelo sexo sim. Contrariando Deus, a Bíblia Sagrada, o Cristianismo, a tradição milenar da família e a Ciência, a ideologia de gênero afirma que a criança nasce sem o sexo definido e que o homem e a mulher são diferentes não por terem sido criados por Deus diferentes, com corpos diferentes, mas por construções sociais e culturais. Em outras palavras, porque os pais, a família, a educação e a própria sociedade os obrigam a serem diferentes. Exemplificando melhor, um menino só é menino por ter sido ensinado e obrigado a ser menino e uma menina só é menina porque foi ensinada e obrigada a ser menina.

A ideologia de gênero quer fazer as pessoas entenderem que existe um problema se houver diferenciação entre menino e menina, o problema da desigualdade, então é necessário que o menino seja igual à menina. Como a família tradicional não aceita esse ponto de vista, os adeptos da ideologia de gênero tentam entrar nas escolas através dos planos de educação, filmes e propagandas e ensinar as crianças que não existem diferenças naturais entre menino e menina, que o menino pode ser menina e a menina pode ser menino e que um menino pode ter dois pais ou duas mães. Isso pode até solucionar o problema da desigualdade, mas criará outro problema bem pior, o problema da identidade de meninos e meninas e a destruição das famílias tradicionais que vamos perceber o impacto só daqui a algumas décadas.

Dizer que o homem e mulher são iguais é simplesmente blasfemar contra o Deus Criador que criou o homem para ser homem e a mulher para ser mulher e os criou diferentes por dentro e por fora.

Dizer que o homem e a mulher são iguais é uma forma grotesca de se rebelar contra Deus e seus ensinos encontrados na Bíblia Sagrada.

Dizer que o homem e mulher são iguais é jogar no lixo o conceito tradicional milenar da família que sempre defendeu que homem e mulher são diferentes.

A ideologia de gênero como existe hoje sofreu influencia dos teóricos: Simone de Beauvior – filósofa francesa que escreveu o livro O segundo sexo em 1949. A frase dela se tornou famosa numa prova do Enem há dois anos atrás: “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino.” John Money – psicólogo e séxologo neozelandez numa obra de 1955, diz que “gênero é um certo tipo de conduta particular do homem e da mulher.” Robert Stoller – psiquiatra norte americano que escreveu o livro Sex and gender em 1968 foi adiante e afirma que “o sexo é somente biológico e o gênero é o que cada sociedade atribui ao seu papel.” Judith Butler – filósofa norte americana escreveu o livro em O problema do gênero em 1988. Afirma que gênero é uma construção social.

Qual a consequência da ideologia de gênero?

1. EROTIZAÇÃO DAS CRIANÇAS

Propagandas de marcas, filmes e as propostas de educação da ideologia de gênero têm como objetivo erotizar as crianças. Para isso não acontecer, os pais precisam ensinar a Bíblia aos seus filhos: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” (Provérbios 22.6)

2. CONFUSÃO DE IDENTIDADE, PERVERSÃO DA NATUREZA HUMANA E DEFORMAÇÃO DA FAMÍLIA E DA SOCIEDADE

Cito alguns gêneros para mostrar que isso só trás confusão, perverão e deformação da família e sociedade: Transhomem – nasceu no sexo feminino, mas tem sentimento de pertencimento total ou parcial pelo gênero masculino, a ponto de sentir necessidade de ser reconhecido socialmente como homem. Transmulher – é a pessoa que genética e fisicamente nasceu homem e foi culturalmente designada como tal ao se desenvolver, mas que em algum momento da sua vida – geralmente na primeira infância – percebe a si como mulher. Neutro – não é macho nem fêmea em relação ao sexo biológico. Gênero-fluido – alguém cujo gênero muda de tempos em tempos. Este é um termo bastante brando, que cobre qualquer tipo de mudança de gênero. Gênero-estrela – um gênero não-binário que nunca poderá ser definido adequadamente por termos e definições precisas. Ou, um gênero de uma estrela, ou outro tipo de gênero relacionado a outros mundos/a alienígenas, um gênero além da compreensão. Trigênero – alguém que possui três gêneros. Pode ser um de cada vez, todos ao mesmo tempo, ou outras combinações. Gênero-borrão – uma identidade poligênero, na qual os diferentes gêneros estão tão “borrados” que é difícil ou impossível de identificar quais são. Gênero-vácuo – alguém cujo gênero não existe, e que sente um vácuo onde deveria estar o gênero. Também pode ser um termo utilizado para alguém sem gênero, já que agênero e neutrois podem ser utilizados como sinônimos de gênero neutro. Turbogênero – alguém que tentou entender seu gênero, mas tal gênero é muito confuso e embaraçado para isso. Ilusogênero – alguém que sabe qual é seu gênero, mas que ainda sente que ele é falso, por causa de neurodivergência ou pressões externas (família, sociedade, etc).

“Ai dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do amargo, doce e do doce, amargo” (Isaías 5.20).

3. DESTRUIÇÃO DA FAMÍLIA TRADICIONAL

            Coloque em uma ilha apenas 100 homens ou apenas 100 mulheres e daqui a 100 anos, a população da ilha desaparecerá. Ponha 50 casais em uma ilha e daqui a 100 anos terá uma população crescente. A ideologia de Gênero destrói as famílias, enquanto que a família como Deus a instituiu cresce e cumpre o propósito de Deus: “E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra…” (Gênesis 1.28)

Graças a Deus a sociedade cristã e família tradicional estão reagindo a essa ideologia diabólica, pois somente com famílias como Deus instituiu: Pai/Homem, Mãe/Mulher e Filhos é que a sociedade será forte.

Deixemos e ensinemos os meninos a desenvolverem a masculinidade como ensina a Bíblia e deixemos e ensinemos as meninas a desenvolverem a feminilidade bíblica como o Criador criou. E quanto a sua família, ela está ameaçada, ute por ela usando os ensinos da Bíblia Sagrada e orando pedindo a Deus que a mantenha como é o desejo d’Ele: PAI/Homem, MÃE/Mulher e FILHOS unidos e servindo a DEUS: “Lutem por seus irmãos, por seus filhos e por suas filhas, por suas mulheres e por suas casas” (Neemias 4.14, NVI).

Pr. Jairo Oliveira dos Santos

Pastor da Primeira Igreja Cristã Evangélica de Barra do Corda-MA. Bacharel em Teologia pelo Seminário Cristão Evangélico do Norte em São Luís – MA, Licenciado em Filosofia pela Faculdade Evangélica do Meio Norte de Coroatá-MA, Pós graduado em Gestão e Docência do Ensino Superior pela Faculdade Ieducare de Tianguá-CE e mestrando pelo Seminário Cristão Evangélico do Norte em São Luís-MA. Casado com Andréia e pai de dois filhos: Tirza e Esdras

Últimos Artigos

Próximos Eventos

01 - 03 dez 2021

REUNIÃO DA DIRETORIA GERAL

04 dez 2021

FORMATURA SCEN

12 dez 2021

DIA DA BÍBLIA

25 dez 2021

NATAL

Nenhum evento encontrado!
RECEBA NOTIFICAÇÃO DE NOVAS PUBLICAÇÕES
Rolar para cima